A Funatura será responsável pela atualização do Plano de Manejo do Parque Estadual da Serra de Caldas Novas (PESCaN). Origem das fontes de águas termais, principal atrativo turístico da região, o parque foi o primeiro criado pelo estado de Goiás, em 1970. A ação é fruto do modelo de compensação ambiental da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável do Goiás (Semad/GO).

“A Funatura conta com uma equipe multidisciplinar de especialistas para o desenvolvimento do projeto. O Plano de Manejo será elaborado de forma participativa, por meio de oficinas. Desta forma, os principais atores sociais poderão colaborar com o trabalho”, explica a coordenadora da ação, Mara Moscoso, geógrafa e pesquisadora. As oficinas são realizadas pela Semad e coordenadas pela Funatura.

A secretária da Semad, Andréa Vulcanis, destaca a importância do PESCaN para toda a região das águas quentes, nos municípios de Caldas Novas e Rio Quente. “O parque é a área de recarga do aquífero termal. Portanto, sem parque, não temos águas quentes, grande fator de atração do turismo em toda a região. Sem isso, o potencial turístico se esvai”, disse.

Segundo o chefe do Parque Estadual da Serra de Caldas Novas, Mauricio Tambellini, para elaborar o novo Plano de Manejo será aberto um canal de comunicação com a comunidade local, a ser divulgado no site da Semad/GO.

“Hoje, diferente da época em que foi criado o Plano de Manejo (1997), o impacto sobre o parque mudou muito. Temos problemas de zoonoses e invasão de áreas por parte de residentes locais”, explica Mauricio.

Segundo ele, o novo Plano de Manejo vem para sanar esses problemas a partir de soluções debatidas com a sociedade e estudadas por especialistas. “Tudo isso será revisto e teremos medidas a tomar. Os atrativos precisam de regulação de uso, com controle e preservação”, ressalta.

PARQUE ESTADUAL SERRA DE CALDAS NOVAS

O PESCaN foi criado em 1970, com uma área de 12,3 mil hectares, nos municípios de Caldas Novas e Rio Quente (GO). A área constitui uma das mais importantes em recargas dos aquíferos hidrotermais, principal atração turística da região.

O parque tem por objetivo preservar a fauna, a flora, os mananciais de água e seu entorno; proteger sítios naturais de relevâncias ecológica e turística; e assegurar oportunidades para uso pelo público, educação e pesquisa científica.

PLANO DE MANEJO

O Plano de Manejo é um instrumento de planejamento e gerenciamento de UCs, composto por estudos, conhecimentos e análises de dados sobre os fatores bióticos, abióticos e antrópicos da área, além de propostas de soluções para questões ambientais.

O primeiro Plano de Manejo do PESCaN foi elaborado em 1997 e necessita de revisão e ajustes. O novo plano elaborado pela Funatura seguirá as diretrizes do “Roteiro metodológico para elaboração e revisão de Planos de Manejo das Unidades de Conservação Federais” do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade, de 2018.

Essas diretrizes promovem a descentralização e o engajamento das diversas áreas na elaboração de planos específicos para visitação, proteção e pesquisa.

A FUNATURA

Criada em 1986, a Fundação Pró-Natureza (Funatura) é uma organização da sociedade civil respeitada pela atuação em defesa do meio ambiente e melhoria da qualidade de vida das populações tradicionais, em especial nos biomas Cerrado e Pantanal.

É entidade de utilidade pública pelos relevantes serviços prestados à sociedade, segundo decreto presidencial de 1997.

Tem em seu currículo 19 Planos de Manejo, sendo quatro federais, três estaduais e 12 particulares. Entre os mais relevantes, estão: Parque Nacional Grande Serão Veredas, Reserva Biológica Atol das Rocas, Parque Nacional Marinho Fernando de Noronha, Parque Nacional de Brasília, Parque Estadual da Serra das Araras (MG), Estação Ecológica Estadual Wenceslau Guimarães (BA), Arie Santuário de Vida Silvestre Riacho Fundo (DF) e várias Reservas Privadas de Patrimônio Natural (RPPNs), especialmente no estado de Goiás.